sábado, 30 de junho de 2012

Confortável mas Pouco



A depressão de domingo à tarde tomou os meus sábados à noite.

Foi devagarinho, manhosa, apoderando-se de mais um dia.

Há já algumas semanas que se vai impondo sorrateiramente mas gradualmente já se faz sentir consideravelmente.

Ainda pensei que andasse trocada com o horário de Verão mas parece que se instalou confortavelmente.

Tenho rapidamente que a enganar, mandá-la numas férias sem retorno e fazê-la desocupar todos os dias da minha semana.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Peix(inho) fora de água



Ultimamente tenho passado algum tempo em lojas de crianças. As amigas começaram a ter rebentos, a família antecipa-se.

Sinto-me completamente à deriva.

Não sei onde estão as coisas, as idades confundem-me. Agora nos saldos então, bem que me esforço para encontrar alguma coisa mas acabo por desistir.

O choro dos bebés é fofo e preferível às birras mas mesmo assim estridula no ouvido.

O tráfego das pessoas nos cabides acentua-se com carrinhos a intrometerem-se mesmo nas caixas.

Há coisas para que não fui mesmo talhada.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Cor



A vida não é a preto e branco.

Há situações que não consigo escolher um partido. Não há simplesmente o certo e o errado. Há as atenuantes.

Há pessoas boas e más. Mas há pessoas más que fazem coisas boas e pessoas boas que fazem coisas más. O certo é que a definição está nos actos e esses são influenciados pelo ambiente, pelo impulso.

Mesmo sabendo que algo é errado não consigo olhar para o todo e decidir sem olhar para as partes. Seria bem mais fácil analisar o resultado sem olhar para as variáveis.

Há tantas cores nas entrelinhas.

terça-feira, 26 de junho de 2012

É de manhã que começa o dia



Eu era daquelas pessoas que dizia que jamais sairia da caminha cedo para fazer exercício. Até hoje. Tive uma aula cedo.

A humidade e chuvisco matutino arrastavam-me os pés mas mesmo antes de o sol impelir-se por entre as nuvens depressa despertei.

A corrida forçada, o calor, a tenacidade dos movimentos mudaram-me o humor que andava a precisar de melhorar há dias.

A tarde é de trabalho, o dia pode ser longo, mas com a genica com que começou e o sol que já se afirmou agoura-se 

Um Bom Dia!

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Boca Fechada


Tenho que aprender a medir as palavras. A pensar antes de falar, a filtrar.

Mesmo inconscientemente muitas vezes acabo por atingir alguém só porque as palavras soltam-se.

Faz parte da minha (nova) espontaneidade mas tem que ser refreada e ensinada.

Se há alturas que a resposta certa tem que estar pronta há outras que não se perde nada no silêncio controlado.

Tento na língua S. Mª!