terça-feira, 24 de setembro de 2013

Amor assim


Sempre que falamos, fala-me dela: a companheira de mais de meio século.

Perdeu-a para o Alzheimer, mesmo antes da morte física.

Perdeu-se também a ele, porque o nós desapareceu dando lugar a um eu solitário.

Sempre que se refere a ela emociona-se.

Sente-se nos seus olhos azuis baços pelo lacrimejar a dor mas principalmente o carinho e amor que não morreu com ela.

São nesses gestos, nessas constatações que esperamos por um amor eterno, que eventualmente voltará a unir para sempre aquelas duas almas ligadas por um amor intemporal.

(Qualquer semelhança com The Notebook é mera coincidência).

6 comentários:

  1. Respostas
    1. Também eu, sempre que estou com este senhor, no decorrer da profissão, tenho que fazer um esforço para não me emocionar à sua frente quando ele fala no seu amor.

      Eliminar

Junta-te à conversa!